sábado, 2 de abril de 2011

Dane-se querido!

A dor corta tanto o peito, que mesmo a saudade não pode remendar a esperança de um novo reencontro. Não se faz tentando e não se tenta fazendo, mas se ostenta a certeza daquela loucura chamada paixão. Ela nasce dentro de nós como o brilho de uma estrela perdida à procura do seu sol e é realmente irritante que continuemos a acreditar que o esse sol só brilhe pra gente. No entanto, há milhões de pessoas que parecem  achar o mesmo. E no fim, não existe o nós, nem o eu e você. Isso já passou de sorrisos à lágrimas. Então, não brinque mais com o "eu te amo", porque você desconhece as exigências do meu amor-próprio.

Um comentário:

B. disse...

Falou e disse!!! assino embaixo!