domingo, 12 de maio de 2013

Cru!

Qual será o problema comigo? É quase como se de repente eu me perdesse dentro da minha própria pespectiva de futuro! Como se minha mente tivesse tomado outro rumo e meus pés desviado de tudo aquilo que eu pensei em trilhar, construir, viver. Meu coração aperta, bem dentro do peito, e eu perco o fôlego, a gravidade (única coisa capaz de me manter presa ao chão), perco a visão, a voz, o foco... me perco! E vou me perdendo, devagar, aos poucos, diligentemente, como se isso fosse o certo, como se nada mais além disso importasse. Talvez eu esteja trocando de pele, de alma, de vida! Metamorfose, transformação, ecdise, escolha o nome, só sei que assim como cobras ou boborletas estou deixando tudo para trás, meu casulo, minha prisão, as aparências! Será que é essa a sensação da liberdade? Solidão!?

sábado, 11 de maio de 2013

Saudade?!

Às vezes a gente acha que o passado ficou lá para atrás, que os problemas acabaram, as complicações cessaram, as dúvidas foram embora... mas será mesmo? Será que uma decisão tão bem pensada, certa, clara, perfeita para acabar com todos os seus infortúnios, pode de uma hora para outra se virar contra você? Te mostrar que os teus medos eram outros e que tudo não passou de, sei lá, uma fuga para um futuro aparente?! Será que dá para anular, revogar, apagar, declarar nulo, imperfeito, incoveniente ou inoportuno? Tem como dar alguns passos para futuro e descobrir se realmente era o certo, o correto, o que realmente seu coração queria? E que tal se todas as memórias e sentimentos e pensamentos fossem palpáveis? E se você pudesse apagar todos eles? E se você pudesse jogar tudo isso fora e seguir em frente, sem olhar para trás? Isso realmente é o que queres, ou só achas que o quer? Só quero que, por ora, tudo isso se mantenha longe dos meus pensamentos, longe de mim, do meu coração e de tudo o que é meu!