quinta-feira, 22 de março de 2012

Damon \*




Como eu mesmo já diria...
Nosso passa tempo favorito: 
Damon, com um "D" bem grande aí.

Desapego.

"Coragem, às vezes, é desapego. É parar de se esticar, em vão, para trazer a linha de volta. É permitir que voe sem que nos leve junto. É aceitar que a esperança há muito se desprendeu do sonho. É aceitar doer inteiro até florir de novo. É abençoar o amor, aquele lá, que a gente não alcança mais."

(Ana Jácomo)

sábado, 17 de março de 2012

Tudo é possível ao que crê.

Sim, hoje, agora, nesse exato momento, sinto-me como se tudo o que eu quisesse pudesse se tornar realidade. Posso fazer o que quiser e obter sucesso. Talvez eu me declare aquele tal carinha, ou, defenda minhas teses sobre vida, livros e queijos. Acho que o melhor realmente seria assaltar um banco, correr pelada, bater em alguém. Mas, pensando bem, o que eu queria mesmo era convencer as pessoas de que o amor de Deus é o melhor para as suas vidas. Que independentemente do problema, Deus pode ajudar, Ele é a solução.

sábado, 3 de março de 2012

(..)

Você não reconhece o dia mais importante da sua vida até que esteja no meio dele.
(Grey's Anatomy)

A enganada de Para-ler--tú

Eu costumava dizer que você era "o" cara, daquele tipo que a gente tem certeza que vai passar a vida inteira do lado. O cara que vai te levar café numa manhã de cólica, ou te dar um beijo numa tarde de estresse e dizer que você é linda num dia de gestação. O cara que no meio da seca é o teu pão, no meio da fartura é tua realidade e no meio da tua indecisão te trás certeza. Sabe, aquele cara amigo, parceiro, irmão. Aquele cara namorado, amante, companheiro. Aquele "cara" que você passou tanto tempo me convencendo que era mas que, na primeira oportunidade, destruiu toda a marketing feita. E hoje eu sofro disso: marketing-bem-feita. No final das contas, há quem seja realmente bom em vender seu próprio peixe, e nós, reles inocentes, temos comprado muito peixe estragado por aí.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Flores ao tempo.

Os fatos se perdem com o tempo. E nós também.

Nada do nada.

Às vezes, por mais difícil que seja o silêncio, é preciso calar para não ser calado. Todos temos desejos e sonhos, todavia, não podemos dizer que os teremos como concretos na nossa vida. Somos as escolhas que fazemos. Recebemos o preço que merecemos. Enfim, às vezes nos perdemos para nos achar. Outras vezes, somos orgulhosos demais para perguntarmos o caminho de volta.