quarta-feira, 28 de setembro de 2011

sábado, 24 de setembro de 2011

O amor está de volta

Quatro palavras definem esse filme: 
Humor na medida certa!

Isso não significa que o filme só tem esses atrativos, claro que não. Mas ultimamente venho assistindo tantas comédias e comédias românticas extremamente apelativas, que a primeira coisa que pensei ao assistir o filme foi isso.

Curiosidades:

- Tom Hanks dirige e estrela, ao lado de sua amiga de longa data, Julia Roberts.
- A última vez que Hanks trabalhou como diretor foi em 1996, com 'The Wonders - O Sonho Não Acabou.
- O longa tem roteiro de Hanks e Nia Vardalos ('Casamento Grego').

Crítica Positiva:

Se não fosse pela dupla Hanks e Roberts, e pelo talentoso elenco de apoio, esse seria apenas um divertido e romântico filme para ser exibido na Sessão da Tarde. Usando e abusando de lições de vida, e do invejável poder do ser humano de se reerguer perante crises, o romance entretém do início ao fim, e nos faz sentir saudade do ápice da carreira de Hanks e Roberts, estrelando filmes que, mesmo que bobos, divertiam e acrescentavam algo em nossas vidas. (Renato Marafon)

Crítica Negativa:

(...) parece lógico, portanto, que ele tenha realizado um filme simpático, mas possivelmente ingênuo e legal demais para os tempos atuais de crise e comédias de baixaria. (...) Porque, obviamente, você percebeu que se trata de uma história de amor mais do que uma comédia romântica. Parece que Hanks tentou acrescentar tintas de crítica social, retrato deste momento, mas lhe faltou mais acidez, mais empenho. Entre os dois gêneros, o filme balança sem atingir nenhuma das duas propostas. (Rubens Ewald Filho)

Minha Opinião:

Não sei se foi o horário avançado, o momento de carência ou o fato de eu amar de "coração" esses dois atores (Tom Hanks e Julia Roberts), que me fizeram colocar esse filme na lista dos "assista outra vez", coisa que não tenho feito com nenhum outro filme ultimamente. Porém sei que ele não é perda de tempo. É claro que não se compara com os grandes sucessos estrelados anteriormente por eles, muito menos aborda o amor de forma diferente e inovadora, mas o mérito está exatamente aí... O segredo de um bom filme é transformar o óbvio em algo observável. E o filme ganhou minha atenção. Não se pode negar que existe alguns furos no roteiro, mas o filme não foi feito apenas para criticar nem tão pouco falar de amor, ele fala essencialmente sobre mudança e o desafio proposto é "o que você encontra no meio do caminho?"

Para ler o sinopse ou assistir o filme online, clique aqui.

P.S: Assistam o filme e comentem!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Crazyy

1- Associação de Professores ………........“Os Fora de Lei”
2- Director de Turma …………………….”O Poder Diabólico”
3- A Associação de Estudantes …..............”O Clube dos Bons Malandros”
4- Os Alunos …………………………….“Solteiros e Tarados”
5- O Director …………………………….”Kilas, O Mau da Fita”
6- O Último Dia de Aulas ………..........….”Apocalipse Now”
7- O Carnaval ……………………………”A Guerra das Estrelas”
8- O 1º Dia de Aulas……………………..."Manhã Sangrenta”
9- O Ano Lectivo…………………………”A História Interminável”
10- As Férias …………………………….”Música no Coração”
11- A Ida para a Aula …………………….”Caminho dos Suplícios”
12- A Ida para a Rua ……………………..“O Caminho da Glória”
13- A Suspensão………………………….”Férias Quentes”
14- O (Último)Toque de Saída ………........”A Corrida Mais Louca do Mundo I”
15- Os Pontos ……………………………."Os Malditos”
16- A Saída das Notas…………………….”A Noite do Espanto”
17- As Aulas de Português…………………”Frustração de Um Poeta”
18- O Refeitório……………………………”O Último Mundo Canibal”
19- O Intervalo ……………………………”Uma Louca Aventura”
20- A Matrícula…………………………….”O Passaporte para o Inferno”

domingo, 18 de setembro de 2011

Decepção

Sabe aquela coisa que você sente quando descobre que alguém não mudou como você achava que tinha mudado? Sim, decepção, essa aí. E você passa horas à fio esperando uma ligação, algum sinal de vida, mas não aparece nada além  do vazio. Eu poderia escrever sobre como quão linda está a lua lá fora, poderia falar sobre os vários tipos de maturidade que descobri a existência nos últimos dias, mas só penso nele, em falar com ele. O amor é mesmo bobo, criança que perdoa fácil e se ilude ligeiro.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Retalho humano

Hoje eu acordei pensando em amizade. Sabe, daquelas que você leva para toda esquina para todo galho. Acordei às 6:30 da manhã com uma baita ressaca de arrependimento. Só não lembro-me, ou de fato talvez não exista, nenhuma causa que me faça sentir remorso. Andei pesando meus sentimentos, palavras e atitudes nos últimos meses, não dá para afirmar que consegui o equilíbrio no conjunto de toda essa bagunça, mas vi que decaindo, levantando e tropeçando fui seguindo minha vida sem me preocupar em saber o peso de certas coisas. Às vezes, a vida não nos exige nada mais (ou menos) que omissões. Temos que nos abster de certos sentimentos ou pensamentos, viver sei lá, em um mundinho paralelo só nosso (sem esquecer de levar os amigos também). Vivemos com um medo desesperado de pensar que as pessoas sabem o que pensamos. Só erramos em uma coisa, em achar que elas sabem o que pensamos apenas pelo saber e não por pensarem o mesmo. A barreira que separa os homens é a mesma que os tornam iguais. Unidos pela desgraça, será?

A calçada

Gosto da ideia de sentar na calçada no fim da tarde, reunir os amigos numa roda, que na verdade nem é uma roda mesmo, e ficar sentada ali observando os carros passar e falando de suas diversas formas, cores e tamanhos. Enquanto me engajo bastante para não rir daquela amiga que teima em confundir os modelos com as marcas das coisas. Estar entre amigos é descobrir cada vez mais um paralelo que separa (e liga) a verdade de (e em) cada um de nós. É descobrir em alguém um pouquinho de você e em você um pouquinho de alguém. É ver, que no final, sentimos os mesmos medos e temos as mesmas pretensões, só que de maneiras diferentes. Ter amigos, fazer amigos é se dividir em mais de um ou dois. É ser, além de você, um motivo para a felicidade de alguém.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

The door

Eu tento, através dessas barreiras, enxergar aquilo que um dia já me encantou. Até consigo sentir o vento frio que faz lá fora - fora dessa barreira que construí ao meu redor. Eu vejo que o terreno que outrora foi verde hoje jaz seco pelas lembranças do passado. Talvez seja esta a única esperança que nos resta, encontrar sobras de algum sentimento que possa alimentar o passado. Nesse momento, fecho os olhos e sinto todo o prazer que esse gesto me traz, fingindo por um breve segundo que essa é a primeira vez que eu te vejo. Engano meu pensar assim tão desse jeito. As pessoas não mudam, elas se ajeitam. Talvez eu ainda tropece em um ou dois sentimentos, mas esses desenganos são os melhores enganos que encontro em mim, te encontrar eternamente aqui enquanto escrevo.

domingo, 4 de setembro de 2011

E que seja doce. Que a vontade de te amar seja eternamente essa busca por mim mesma. Que seja doce. Que minhas palavras não possam jamais te magoar como eu espero que magoem. Novamente doce... Esse desejo por tudo o que já foi meu, essa sede pelo passado que só aconteceu há uns poucos meses.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Tendências...

Eu só amo aqueles que sabem viver como que se extinguindo, porque são esses os que atravessam de um lado para outro lado. (...) Amo o que faz da sua virtude a sua tendência e o seu destino, pois assim, por sua virtude quererá viver ainda e deixar de viver. (...) Eu vo-lo digo: é preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante. (...) "Descobrimos a felicidade" - dizem os últimos homens. 

- Assim Falou Zaratustra -

Perfil


Sou Luíza Catarina Sobreira de Souza mais conhecida por aqui como Luaaz que virou Luas porque Efigênia fez assim. Minha tia me chama de Lucrécia, minha mãe de "minha galega" e equivocadamente meu irmão me chama de "a menina de mãe". Já fui galega do pão doce, galega sarará, leão e continuo sendo a mesma "louca' desde a primeira série. Sou corintiana, flamenguista , são-paulina, e isso não tem nada a ver com o time. Gosto de MPB, Rock, Forro pé de serra, Gospel, muito Gospel. Sou viciada em livros, filmes, gente e coca-cola. Adoro romance, detesmo falsidade, prefiro sinceridade e odeio rotina. Quero fazer Mestrado, Doutorado, PhD, Psicologia, Concurso e uma torta de morango que vi ontem num site. Sempre fui confiante, hoje sou desconfiada. Não sei passar o dia observando os outros, mal consigo me observar o dia todo. Sigo meu programa, minha agenda, mas adoraria jogar isso na cabeça de quem inventou a correria. Só presto atenção naquilo que merece meu conhecimento. Quando gosto, viro uma louca psicopata que vive sofrendo por coisas que nem aconteceram. Gosto de fazer piada, mas não de ser a piada. Já perdi amigos e ganhei muitos outros. Perdi um amor e me achei. Tenho mais medo da morte das pessoas que amo do que a minha própria. Ainda vou fazer uma longa viajem e quando voltar, e se voltar, vou casar, ter filhos, amar, amar e amar.