quinta-feira, 7 de março de 2013

The heart

Qual o problema do amor? Por que será que às vezes ele tem que ser tão egoísta  Roubando pedaços da alma, destroçando corações, acabando com sonhos, destruindo futuros. A gente cansa de usar sempre um band-aid no peito! Isso é o fim? Está na hora de começar do zero? Talvez se eu cortasse o cabelo, pintasse ele, fizesse uma boa maquiagem, comprasse roupas novas, me mudasse para um lugar mais "cool", conhecesse gente nova, talvez... talvez se eu fizesse isso eu seria uma outra pessoa, uma pessoa desprovida de coração. É disso que preciso! Mas, quem liga para a "droga" desse coração ou para o que ele quer? Ele vive boicotando todo e qualquer plano de sanidade que façamos, cuspindo em nossos faces, rasgando nosso corpo pela metade, jogando nosso orgulho e amor-próprio pela vidraça. Quem liga para o amor ou para sentimentos? Viver sofrendo já não é sentimento demais para uma só vida. Entenda, não estou dizendo que amar e ser amado é ruim. Estou dizendo que é uma droga quando isso se torna unilateral, quando você tem alimentado esse "vampiro" com seu próprio sangue e esforço. É bom amar! No entanto, quando o amor é saudável, quando tudo o que importa é o toque, o som, é o estar perto, segurar um ao outro como se não existisse nada mais a agarrar. Sem forças, resistência, barreiras ou limitações, livre, solto, grande, profundo, verdadeiro... isso é eternidade, isso sim é amor! Não essa porcaria "genérica" que estão vendendo nas ruas!