terça-feira, 29 de maio de 2012

While I'm waiting...

Quero um amor que mexa comigo...
Um amor que aqueça meus dias frios
e me tire do sério nas noites solitárias.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Complexados.

"Bem", nunca vi uma pessoa gostar tanto de começar uma frase assim como eu. Existem tantas palavras interessantes por aí, milhares que talvez eu nunca tenha visto, mas ainda assim teimo em começar minhas frases usando "bem". Seja nas lessons de Inglês ou nos meus textos curriculares ou extracurriculares. Até parece que estou a responder uma pergunta, e talvez realmente eu esteja. Daí a ideia de trazer um tópico à tona: nosso conservadorismo na hora de escrever, ou como preferirem, nossas deficiências na língua materna. Temos a mania de nos apegar a palavras, é como se nascêssemos com elas, crescêssemos e morrêssemos sabendo unicamente e sempre as mesmas palavras. Não nos permitimos a ideia de aprender novas palavras, continuamos com as velhas e nos acomodamos. E o mais engraçado é o número de pessoas que buscam aprender outras línguas sem nem ao menos conhecer a sua própria. Talvez todos sofremos do "complexo de autismo", não somos autistas de fato, mas em certos pontos nos comportamos como tais... alguns menos, outros mais.

The time.


O tempo está correndo? Decerto que sim. E eu, como boa aluna que sou, fui atrás do professor dos bons sabedores, o Google, e achei uma frase de autoria desconhecida que me soou peculiar: "A corrida nem sempre é para o mais rápido. E sim, para aquele que continua correndo...". Não posso negar que concordo em parte com o pensamento. Se o tempo anda correndo não significa que temos de alcançá-lo, talvez a moral da história seja exatamente o contrário. Ou seja, o melhor atleta é aquele que corre e alcança seu alvo, mas o sábio é aquele que sabe o momento certo de aumentar o passo ou de diminuir a velocidade. Tudo é questão de movimento, ou para quem já estudou física, da variação da posição espacial de um objeto ou ponto material no decorrer do tempo. Traduzindo, um corpo está em movimento em relação a um dado referencial, isto é, estamos em movimento em decorrência do tempo, se ele se move/corre nós reflexivamente nos movemos. Seja através do nosso querer, entendimento ou escolha, ou porque estamos "obrigados" a seguir em constante movimento com ele. É quase como a segunda lei de Newton: toda ação tem uma reação. Então, quanto mais corremos mais o tempo se encurta, mais ele "corre". Nem sempre se trata de ser o mais rápido, às vezes tem a ver apenas em continuar correndo. Mas, claro, isso não significa que devemos ser produtos do tempo, no entanto, também não quer dizer que não sejamos.

sábado, 12 de maio de 2012

WWJD?

Depois de algumas folhas amassadas, e racunhos destruídos, tento através dessas palavras desabafar tudo o que me vem aflingindo... O que reflete nas escolhas que faço e nos sonhos que tenho! 



Espero escrever um grande texto, um dia, talvez eu seja reconhecida ou mude a vida de alguém, mas seria realmente bom ter sucesso nas escolhas e tentativas que irei fazer. Talvez eu ache uma pessoa que me ame tão quanto eu ame ela, isso também não seria ruim. O problema é que, às vezes, chego a pensar que tudo isso é de fato o que preciso. É como aquele sonho de ir além do que acredito, de fazer mais do que preciso, de ser a pessoa que tantas pessoas gostariam que eu fosse.

Minha vida está aberta, assim como a porta do meu quarto ou do meu "arreganhado" jeito de tratar as pessoas. Gostaria muito de ser uma pessoa prestativa, presente em todos os momentos importantes na vida daquelas pessoas que amo. E como amo. Eu apenas estou tentando achar o caminho certo, a direção correta, e nem sempre nessa jornada vou agradar a todos. Sei que não posso exigir nada de ninguém, apenas não sei como fazer as coisas certas. Acho que preciso que ao menos uma vírgula ou ponto, exclamação ou  interrogação, seja colocada entre as palavras informes do roteiro da minha própria vida, para que finalmente essas coisas comecem a fazer sentido.

E quase parando, desistindo, uma voz continua repetindo ao meu ouvido: "filha,  eu te amo, e quero cuidar de você"; "filha, não temas, eu estou do teu lado"; "filha, tenha calma, o melhor ainda está por vir"; "filha, anime-se, grandes coisas ainda farei através da tua vida". E eu quero acreditar, do fundo da minha alma, eu quero acreditar. Eu quero acreditar que as coisas podem ser diferentes, quero acreditar que nem tudo é ou acontece da forma que sempre achamos que são. Eu quero acreditar que posso ir mais além, que posso fazer acontecer, posso mudar minha história, e consequentemente, resplandecer essa mudança maravilhosa na vida das pessoas que amo. Mas, eu preciso saber... O que faria Jesus em meu lugar? Porque eu não sei o que fazer, nem como fazer, e também não tenho força suficiente para fazer isso sozinha. Mas eu não desisto, e nesse sentido, sou teimosa mesmo. Então, eu pergunto: "Em meu lugar, o que faria Jesus?".

sábado, 5 de maio de 2012

Colchão no chão.

Eu sei que o sol vai brilhar depois da escuridão. E um dia, quando eu menos esperar, vou olhar para o céu e ele vai estar sorrindo para mim, com as portas abertas, derrabando bençãos, bençãos, bençãos sem fim.  E não haverá dúvidas, nem ressentimentos, muito menos incredulidade. Tudo será palpável, até mesmo o amor, principalmente o amor.


Pés molhados.

A água toca a terra, meu corpo, minha alma.
Ela leva embora meus medos, meus segredos
e as mentiras contadas a mim mesma.
É como desnudar meu ser.
É como lavar meu coração.
Assim, simples, como nascer segunda vez sem ter morrido.
Como crescer sem nunca ter sido pequeno.


19 minutos

Sabe, às vezes me pergunto como as coisas seriam se tudo não tivesse acontecido como aconteceu. Será que seria diferente? Será que EU seria diferente? Muitas vezes desço até o abismo para achar a luz que preciso, e tão pouco volto à superfície para achar minha escuridão. Porque quando tudo está claro é quando há um inferno dentro de mim, o teu inferno, o nosso inferno, a nossa história. Me tranco no quarto dos desamores e tento me desapegar de tudo, até de mim. Retiro camada por camada, pele por pele, sentimento por sentimento, mas não consigo jogar fora meu coração, porque ele sou eu e eu sou ele. Cada batida, o sangue correndo em minhas veias, o escarlate ardendo através da minha pele, meu calor, meu tempo, minha vida. Mas será essa a única prova da minha existência? Você?!

terça-feira, 1 de maio de 2012

How he loves



Aspas.


Pequenos detalhes.

Quem assistiu Vanilla Sky sabe o quanto essa pequena e simples frase pode ser macabra. 
Quando se trata de sentimentos, a mínima vírgula pode fazer toda a diferença na hora do resultado.

Saudade.

Sim, sinto falta do carinho, do abraço, da palavra amiga.
Sinto falta de tantas coisas que nem aconteceram ainda...
e de outras que talvez nunca venham a acontecer novamente.