domingo, 28 de agosto de 2011

Cultura Inútil

- É impossível lamber o próprio cotovelo.
- Um crocodilo não coloca a língua para fora da boca.
- Os camarões tem o coração alojado na cabeça.
- Um estudo, que abrangeu cerca 200 mil avestruzes durante mais de 80 anos, não registou um único caso em que uma avestruz fosse vista a enfiar a cabeça na areia.
- Os porcos não são fisicamente capazes de olhar para o céu.
- Mais de 50% das pessoas, no mundo inteiro, nunca fizeram nem receberam chamadas telefônicas.
- Os ratos e os cavalos não conseguem vomitar.
- Se espirrar com muita força, pode partir uma costela.
- Se tentar impedir que um espirro seja expelido, pode morrer ao causar a ruptura duma veia no cérebro ou na nuca.
- Se mantiver, à força, os olhos abertos durante um espirro é possível que eles saiam das órbitas.
- O isqueiro foi inventado antes do fósforo.
- 35% das pessoas que utilizam os anúncios em jornais à procura de companhia são já casadas.
- 23% das avarias em fotocopiadoras, a nível mundial, são causadas por pessoas que se sentam no aparelho para fotocopiarem o traseiro.
- O pó de arroz inclui quase sempre escamas de peixe na sua composição.
- Tal como as impressões digitais, a superfície da língua é diferente de pessoa para pessoa.
- 75% das pessoas que lêem este texto tentam lamber o cotovelo.
- A cada minuto, 47 bíblias são vendidas ou distribuídas no mundo;
- A velocidade do ar saindo do nariz em um espirro é de 160 km/h;
- A frase "Elementar, meu caro Watson" nunca foi dita pelo personagem Sherlock Holmes, criado pelo escritor inglês Sir Arthur Conan Doyle;
- A famosa frase surgiu em O Retorno de Sherlock Holmes, de Basil Dean (1929), o primeiro filme falado sobre o detetive inglês;
- 3min5s é a duração do beijo mais longo do cinema, trocado entre Regis Toomey e Jane Wyman no filme In Army (EUA, 1940);
- 127 beijos tem o filme Don Juan (EuA, 1927), dados por John Barrymoree nas atrizes Mary Astor e Estelle Taylor. É o recordista da história do cinema;
- A enciclopédia mais velha de que se tem notícia é a Speusippe, de Atenas, de 370 a.C. A maior é Cang-Xi, publicada em 1728 na China. Ela tinha 22.937 volumes, dos quais restam hoje apenas 370;
- Você sabia que só vemos um lado da lua? Apesar de realizar movimentos de rotação e translação, a Lua está sempre com a mesma face voltada para a Terra;
- O país mais arborizado do mundo é o Suriname! Tem 91% de seu território coberto por florestas;
- Qualquer recipiente de vidro demora cerca de 4 mil anos para se decompor;
- Para fazer um par de sapatos de couro de crocodilo são necessários 10 desses animais; para uma bolsa, 18; e uma carteira, 4.
Não adianta fugir dos velhos fantasmas. Eles sempre nos assombram. Costumava pensar que ao seu lado me tornaria tudo aquilo que eu estava destinada a ser. Mas percebi que você me roubava todas as pretensões de ser alguma coisa. Descobri que precisava ter meus próprios sonhos, meu próprio caminho, precisava encontrar o equilíbrio que faltava. Porém, havia um problema, eu não sabia quem eu era, nem quais eram os meus gostos, muito menos do que precisava. Só sabia que queria diferença em cada célula do meu ser. Então, tive que começar do zero, numa cidade estranha, com pessoas estranhas de gostos estranhos. Por muito tempo pensei que tudo que eu tinha era o que você me dava, mas percebi, não tão tarde, que você tentava me esconder na sua caverninha... Tentado me isolar do mundo ou talvez me proteger de uma forma não convencional. Não te culpo pelas noites mal dormidas, muito menos pelos sonhos e amigos perdidos. Talvez, naquele momento, fosse a coisa certa para mim. No entanto, hoje, não é a coisa certa para nenhum de nós dois. Nossos sentimentos nos confunde, brincam com a nossa razão de forma inconsequente. Espero que o tempo me traga alguém que eu possa amar tão quanto eu te amei.

O que é o que é...

Se disser seu nome não existe mais?













O silêncio
‎"Eu quero amar, amar perdidamente! Amar só por amar: Aqui... além... Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente. Amar! Amar! E não amar ninguém!"

(Florbela Espanca)

"Engasga.
Engole as palavras.
Tosse para respirar.
Mas se o nó na garganta apertar...
diz tudo! E desnuda a alma."

(Fernanda Mello)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A verdade é que o mundo cria as suas verdades e nos obriga a segui-las. Eu declaro hoje independência, independência num país chamado utopia - não sei se a sua ou a minha - mas creio que em algum lugar desse universo existe um lugar onde a palavra "verdade" vai além da concepção de duas pessoas.
Na vida encontramos encruzilhadas, caminhos que nos impulsionam a fazer escolhas, que por diversas vezes nos coloca em situações nas quais nunca pensamos que chegaríamos. É certo que uma vez tomada a decisão não existe caminho para nos trazer de volta, mas existem pontes que são capazes de nos ligar através de todo e qualquer problema, pontes que nos mostram um outro lado de nós que não sabíamos ter. E são essas pontes - dentro de nós - que nos levam a crer que ainda somos capazes de surpreender a nós mesmas.

domingo, 21 de agosto de 2011

Sem retoques

Durante algum tempo, me senti fora de mim. Antes que você pense que estou bêbada, sob o efeito de alucinógenos ou com algum sintoma de esquizofrenia, explico: eu não me sentia confortável com meu jeito de ser.

Acho que a gente passa boa parte da vida tentando descobrir quem é. Existe uma fase em que achamos que temos que provar algo para alguém (pode ser pai, mãe, tio, professor, amigo). Já tentei agradar outras pessoas inventando uma espécie de personagem. É chato, dá trabalho, cansa e no final do dia a gente se sente uma farsa, quase um lixo.

Já disse que gostava de futebol para um cara que era louco pelo Grêmio. E olha que eu não sei o que é impedimento (já tentaram, inutilmente, me explicar mais de cinco vezes). Já disse que ia terminar a faculdade de Direito para agradar a minha mãe (não consegui e larguei na metade) e a de Psicologia para agradar meu pai (não consegui e larguei um ano antes de me formar). Já disse tanta coisa e depois me arrependi. Já fiz tanta coisa só para gostarem de mim. Pura carência. Puro medo de não ser aceita. Puro engano. Até que chegou uma hora em que eu decidi ter um papo bem sério comigo mesma. Me chamei num cantinho e disse: escuta aqui, você está querendo enganar quem?

A gente se passa a perna constantemente. E o pior: sem a menor vergonha na cara. E fazemos de novo, de novo, de novo. Até a hora do basta. Acredito que a Hora do Basta é aquela hora em que o mundo para um segundo de girar, uma luz forte e assustadora se acende bem na nossa fuça e a gente entende o que diabos está fazendo no mundo. Porque todo mundo aqui tem uma missão. É ou não é?

Não dá para viver de aparências. Somos o que somos. Sem máscara, sem fingimentos, sem esforço. Mas isso eu só entendi depois de algum tempo. E foi aí que comecei a viver de verdade.

Quer saber quando as coisas começaram a dar certo? Quando decidi que ia viver minha vida de modo que quando eu deitasse a cabeça no travesseiro me orgulhasse a cada segundo de erro por erro, acerto por acerto, defeito por defeito, qualidade por qualidade. Sem o menor medo, sem o menor pudor e com o maior respeito não por uma imagem que criei, mas por uma essência que é natural e sem retoques.

E eu sou assim como você vê: sensível ao extremo, dramática até dizer chega, um pouco sem paciência com lerdeza, dona de um humor matinal quase azedo, com um caminhão de defeitos chatos e outros tantos incorrigíveis, mas com uma franqueza no tom da voz e no brilho do olhar. Se você não gosta do meu natural, tudo bem, é direito seu. Não vou me maquiar na tentativa de você gostar de mim.
Clarissa Corrêa
Quero sentir a pulsação do teu corpo atravessando o meu. Quero viver uma eternidade presa aos teus braços, mesmo que seja para me alimentar das sobras de qualquer sentimento que ainda tenhas por mim. Quero ouvi a tua voz, mesmo que ela seja o silêncio dos teus lábios a me beijar. Quero que você diga que ainda me ama, que sente minha falta e que comigo você é uma pessoa melhor. Quero que fale qualquer coisa, mesmo que essa coisa seja: "não sinto mais nada por você". Quero sair dessa calma que consome toda loucura em mim. Quero viver nem que seja por um segundo, mesmo sem ser recíproco, e até com a possibilidade de nunca mais poder te ver... Quero sentir uma última vez o consolo das tuas palavras ao dizer: "eu estou aqui".
A questão é: "o quanto você está disposto a renunciar para ter a pessoa que ama ao seu lado?" Pode parecer  absoluto, mas será mesmo que quando a gente gosta é preciso abrir mão daquilo que somos? É certo que sim. Mas o amor nos transforma, ele nos torna pessoas menos amargas, pessoas capazes de enxergar além do próprio egoísmo. No início, pode até parecer que você está perdendo tudo o que construiu ao redor, mas depois você vê que não sente mais a mesma necessidade por aquelas coisas que se perderam. Você sente outro tipo de necessidade, outros desejos, tem novos sonhos. Então, não adianta dizer que amor é renúncia, amor é vida nova.

sábado, 20 de agosto de 2011

Você tem a chave (lembra-se?), aquela que destranca todas as portas dentro de mim. No dia em que ela se desmanchou, minhas portas ficaram travados por dentro... Acho que espero o dia em que você descubra novamente o segredo do meu coração!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A Lista de Schindler

Amon: Controle é poder!
Schindler: É por isso que eles nos teme?
Amon: Nós temos o maldito poder de matar, por isso nos teme.
Schindler: Ele nos teme porque temos o poder de matar arbitrariamente. Quem comete um crime devia saber que isso não se faz. Se mandamos matar nos sentimos bem por isso, ou matamos pessoalmente e nos sentimos melhor ainda. Mas isso não é poder... é justiça. É diferente de poder. Poder é quando temos justificativa para matar e não matamos.
(...)
Amon: Acho que está bêbado.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Se pudesse te falar agora diria coisas que nem mesmo eu acreditaria. Diria que meu mundo não é mais o mesmo depois de você. Que eu nunca mais serei “aquela” garota que um dia eu fui. Diria que perdi a vontade de ter meus velhos hábitos e agora sóbria, tento encontrar os porquês de não ter encontrado o porquê de ter te deixado sair por aquela porta.

Sei do que escrevo, e por ora, isso basta. 

Tento colocar as tais verdades que se tornam mentira antes mesmo de as por no papel. Amor só senti uma vez. Mas paixão, essa sim, já senti demais e cansei.Talvez o amor seja a mera comodidade de ter a certeza que alguém se importa com você.

Certa feita alguém me disse que não acreditava no amor, mas o amor é dessas coisas que não precisa de ninguém para acreditar. Ele de fato existe. Talvez não da forma que imaginamos que ele seja, mas da única forma que somos capazes de fazê-lo.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

A lista de Schindler

Oskar Schindler foi um homem de negócios e um nazista que intentava construir um império social e financeiro para si mes­mo em virtude da exploração daquela caótica ocasião de guerra. Schindler não teve sucesso em seus negócios antes ou depois da guerra, mas durante aquele terrível confronto ele se envolveu pes­soalmente no resgate de mais de 1.200 judeus, cujas vidas e linha­gem seriam extintas para sempre nos fornos ou câmaras de gás dos campos de extermínio nazista. 

De alguma maneira, este homem de negócio teve o seu co­ração tocado. O seu sistema de valores foi completamente trans­formado e, como resultado, começou a direcionar a sua fábrica de munição para um negócio voltado a resgatar vidas. Um por um, Oskar fez com que judeus refugiados e prisioneiros fossem trans­feridos para a sua fábrica de munição como "escravos" e, proposi­talmente, ordenava seus trabalhadores fabricarem munições com defeitos. Com o tempo, a situação econômica no país se tornou desesperadora. Schindler começou, então, vender seus bens pessoais e arriscar a sua própria vida na compra de vidas de mais judeus para livrá-los da morte nos campos de concentração. Finalmente, como as forças aliadas começaram a entrar nas fronteiras alemãs libertando a Europa, Schindler, ainda oficialmente considerado um membro do partido nazista, foi forçado a abandonar a Alemanha. 

Em um filme que relata a história verídica deste homem, uma cena mostra o seu último adeus às centenas de refugiados judeus que ele tinha pessoalmente resgatado das "garras" de Hitler. No momento em que contempla os rostos daqueles homens, Schindler percebeu quão poucos eles eram em relação à milha­res que foram arrastados para a morte. Quando olhou para os poucos bens que ainda lhe restava, inclusive o carro que estava prestes o usar para a sua viagem, ele exclamou para si mesmo: "Mais dez vidas, mais dez vidas pelo menos poderiam ter sido salvas se eu tivesse vendido o resto de minhas coisas. Eu poderia ter feito mui­to, muito mais." 

No momento em que assisti esta dramática cena no filme "A lista de Schindler", o meu coração saltou dentro de mim. Oskar Schindler gastou toda a fortuna que tinha feito para comprar vidas que estavam na lista de morte de Hitler. As 1.200 pessoas salvas se multiplicaram para mais de 6.000. 6 milhões foram brutalmente esmagadas e destas, outras milhões foram privadas de nascer. Há uma voz profética clamando através das palavras de Oskar Schindler que diz, com a autoridade de Deus: "Sem Cristo a vida perecerá. O propósito principal para todos os crentes é resgatar aqueles que perecem sob a escravidão do pecado e caminham para a morte eterna. A comissão para todos os crentes é simplesmente salvar outros." Em outras palavras o único aspecto eterno de nossa existência nesta terra é o nosso investimento na Vida eterna de outros.

Mahech Chavda (O Poder secreto do Jejum e da Oração)
Então os discípulos, aproximando-se de Jesus, perguntaram em particular: Porque motivo não pudemos nós expulsá-lo? E Ele lhes respondeu: Por causa da pequenez de vossa fé. Pois em verdade vos digo que, se tiveres fé como um grão de mostarda, direis a este monte: passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível. (...)”. (Mt 17:14-21)

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

As pessoas são indiferentes, 
Por que tudo lhes sai bem?
Por que eu não posso mudar o mundo?
Por que não sei beijar?
Não sei e não sei.
Talvez um dia compreenda.

(Clarisse Lispector)
O vazio no coração do homem é do tamanho de Deus!

Blue Valentine

You Always Hurt The One You Love

Você sempre machuca quem você ama,
Quem você não deveria nunca machucar.
Você sempre pega a mais bela das rosas,
E a esmaga até que as pétalas caiam.
Você sempre parte o coração mais carinhoso,
Com uma palavra rude de que não se recorda.
Então, se eu parti seu coração na noite passada
É porque eu te amo mais que tudo.

sábado, 13 de agosto de 2011

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Sou diferente?

Alguma vez já se perguntaram se somos mesmo diferentes ou se pensamos a mesma coisa? Façam este exercício de reflexão e encontrem a resposta!

Siga as instruções e responda as perguntas uma de cada vez ‘mentalmente’ e o mais rápido possível, mas não siga adiante até ter respondido a anterior. E se surpreenda com a resposta! Agora, responda uma de cada vez:

Quanto é:

15+6=

….21…

3+56=

….59…

89+2=

….91…

12+53=

….65…

75+26=

….101…

25+52=

….77…

63+32=

….95…

Sim, os cálculos mentais são difíceis. Mas agora vem o verdadeiro teste. Seja persistente e siga:

123+5=

….128…

RÁPIDO!!! PENSE EM UMA FERRAMENTA E UMA COR!

……

E siga adiante…

…….

Mais um pouco…

……..

Um pouco mais…

……..

Pensou em um martelo vermelho, não é verdade?

Se não, você é parte de 2% da população que é suficientemente diferente para pensar em outra coisa. 98% da população responde martelo vermelho quando resolve este exercício. Aposto que se você não pensou em um martelo foi em uma chave de fenda amarela ou verde!


P.S: Respondi "alicate vermelho"

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Jesus não é só o único mediador entre Deus e o homem, 
mas também o único mediador entre os próprios seres humanos.
"...pequeno, mas não um insignificante detalhe: Eu ainda te amo. Não que isso mude os fatos. Você não merece o meu amor. E nem eu mereço o seu. Só achei que deveria ser bom falar a verdade."

terça-feira, 9 de agosto de 2011

"...o problema não está no olhar, está na pessoa que observa.'

sábado, 6 de agosto de 2011

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Pesava de tempos em tempos meu coração e distribuía dia-após-dia pequenos grãos de sofrimento na minha alma. Tentava enganar-me, dizendo que não amava ninguém. Mas, no fundo, bem lá no fundo, eu compreendia que amava demais... Demais para o meu próprio bem. Chega um momento em que realmente somos forçados a dar um "chega pra lá" em nós mesmos. A realidade acorda todos os nossos neurônios e a cabeça percorre a memória e a memória nos faz a cabeça. Para ser sincera, acho até mesmo que perdemos a cabeça, literalmente. É uma conspiração corporal e quando menos percebermos seremos reféns da vontade, nossa vontade.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

E foi nestas tantas idas e vindas que entendi, afinal, o sentido da dor, pelo menos para mim. Algumas pessoas estão destinadas a sofrer, outras a sofrer e superar, e outras, não obstante a tudo isso, enfrentam e superam sempre as mais altas dificuldades. Talvez, assim como eu, você esteja destinada a viver na fossa... Sofrendo dia-após-dia. Mas tá aí minha benção e maldição: dependo disso para permanecer viva. Escrever se tornou além de passa tempo favorito, meu sossego, minha calma, minha paz. É escrevendo que consigo me aproximar de mim. Descubro sentimentos, encontro decepções, abandono sonhos. Dou-me ao luxo de amar e se me permitem assim dizer (ou inventar): desamar algumas dúzias de homens.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Não podia ceder: tinha que ir em frente na minha escolha. (...) As coisas acontecem do jeito que acontecem e estão certas assim. Não me arrependo de nada. Mas vezenquando passa pela cabeça um “ah, podia ter sido diferente..."
C.F.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Não sei se a gente fica mais esperta com a idade, na realidade, tenho certeza que aprendemos a driblar certa quantidade de ingenuidade. Perdemos boa parcela da nossa inocência. É de se imaginar que o tempo servisse de fato para alguma coisa, seja nos tornar cegos ou abrir de vez nossos olhos para essa cegueira. Então, aí vai um aviso: Não se engane, o mundo realmente é essa face escura que corrompe nosso coração.

Silêncio

“Conclui mais ou menos que ser engraçado é a melhor coisa que existe nos homens. Quero dizer, exceto o dinheiro e a nossa básica governabilidade...”

(O Silêncio dos Inocentes)

Coisas.

Alguns não conseguem afrouxar suas próprias cadeias e, não obstante, conseguem libertar seus amigos.

Você tem que estar preparado para se queimar em sua própria chama: como se renovar sem primeiro se tornar cinzas? 
- Assim falou Zaratustra –
A maturidade acrescentou cláusula
as minhas incertezas. Eu as aceito.

Autor Desconhecido

Para viver um amor\*

Ás vezes, você olha e não vê que está bem ali ou faz vista grossa por medo de se machucar. Quando se entrega, cansa da rotina, exaspera-se. Se ele parte, dói. Assim é o amor: uma felicidade fugida, que cativa ou escorrega e se transforma e permanece, nunca o mesmo. Parece até um drama, mas é um romance com começo e meio. Fim? Depende. Recomeço? Sempre, porque a gente nunca desiste de tentar. E essa é a graça da vida...
Simone
Com relação ao amor sou um pouco idiota e ingênua, mas não burra. Sei que não vai durar para sempre; mesmo assim ainda acredito. 
Cissa Guimarães

Costumes


Eu pensei que pudesse esquecer certos velhos costumes.
Eu pensei que já nem me lembrasse de coisas passadas.
Eu pensei que pudesse enganar à mim mesma dizendo 
que essas coisas da vida em comum não ficavam marcadas.
Não pensei que me fizessem falta umas poucas palavras 
dessas coisas simples que dizemos antes de dormir.
De manhã um "bom dia", na cama a conversa informal, 
o beijo, depois o café, o cigarro, o jornal.
Os costumes me falam de coisas e fatos antigos.
Não esqueço das tardes alegres com nossos amigos.
Um final de programa, fim de madrugada, 
o aconchego na cama, a luz apagada.
Essas coisas só mesmo com o tempo se pode esquecer.
Então eu me vejo sozinha, como estou agora 
e respiro toda liberdade que alguém pode ter.
De repente ser livre até me assusta, 
me aceitar sem você, certas vezes me custa.
Como posso esquecer dos costumes 
se nem mesmo me esqueci de você?

Roberto Carlos/Erasmo Carlos