quarta-feira, 27 de abril de 2011

Olhos que olham.

Eu não sou tão tímida assim, mas fico com vergonha quando olhos curiosos me olham. Não que o problema esteja no olhar, está na pessoa que observa. A pessoa, do olhar, muda todas as regras deste, pois buscam em nós coisas que querem e descobrem na gente o que não queremos (ou queremos) que saibam. Certos olhos chegam a vasculhar com tanta intensidade o rosto, que é como se estivesse penetrando a alma e não há como não ter o rosto em chamas, nem como não falar bobagens. Tornamo-nos tão "frágeis" a esses olhos.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Bagunça total.

Confirmei uma coisa que já sabia faz tempo: trabalho sob pressão. Preciso de prazos para viver. Não consigo fazer as coisas com todo tempo livre do universo. (...) Sinto que quando tenho muito tempo livre fica difícil fazer tudo que preciso.
Clarissa Corrêa
Sigo como uma eterna apaixonada pela vida. 
O hoje é só o começo do amanhã.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Concurso público


Pela democracia do destino é fato que todos tem 24 horas. A diferença reside justamente no modo como cada indivíduo utiliza tal tempo. Ressalto que a vida não tolera passividade e o direito não socorre os que dormem. Se você não tiver posse de boas armas e bom preparo, rapidamente, será abatido nesta batalha. Neste Coliseu, só ficam em pé verdadeiros gladiadores. Neste safari, só alimentam suas contas bancárias verdadeiros leões. Nestes picos, só voam alto verdadeiras águias. Seja o predador, use a coroa do rei dos animais (disciplina e planejamento), voe alto como a rainha das aves (veja com olhos de águia o que é preciso fazer e faça perfeitamente).

Seja o general que impõe respeito ao seu exercito, que conhece o terreno e sabe frustrar com prudência as estratégias do inimigo. Tenha a humildade de uma pomba e a prudência e esperteza do bom caçador. Seja como a água que contorna o terreno ante os obstáculos, superando-os com delicadeza e sabedoria natural. Lembre-se de que as ondas do mar são formadas de pequenas gotas, um incêndio é fruto de uma pequena chama, que para se chegar ao topo de uma escada é preciso escalar cada degrau que ela possui. Semeie muito e certamente muito ceifara. Ame a disciplina e adquirirá grande conhecimento e terá sabedoria na busca e conquista de seus objetivos.

Turbulências fazem parte da vida e da conquista do sucesso, superam-nas rapidamente aqueles que focam a solução e não os problemas. Thomas Edson inventou a lâmpada na 10000° tentativa e a cada frustração dizia: inventei mais um jeito de não inventar a lâmpada, ele acrescentou: qualquer homem pode ter êxito se dirigir seu foco em um objetivo e insistir neles. Ele foi o maior detentor de patentes da historia, você ainda tem alguma duvida de que não pode conseguir o que almeja? Abraham Lincoln perdeu a mãe muito cedo, fracassou várias vezes no comercio, perdeu a noiva, perdeu várias eleições, superou a depressão, venceu as gozações, e tornou-se o 16º presidente americano. Gandhi disse que se não fossem as dificuldades jamais se tornaria o que foi. “Nunca desista de seus sonhos, pois, eles trazem saúde para a emoção, equipam o frágil para ser autor da sua história, renovam as forças do ansioso, animam os deprimidos, transformam os inseguros em seres humanos de raro valor. Os sonhos fazem os tímidos darem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades.”

O professor Damásio de Jesus (Jurista reconhecido internacionalmente) disse: “Sempre estudei muito. Não havia diferença entre sábados, domingos e feriados. Quem passasse pelo hotel, de sábado para domingo, às 2 horas, veria uma luz de quarto acesa. Diziam que eu estava desperdiçando a vida: só um louco, de sábado para domingo, fica estudando preso no quarto. Mas eu sabia que, para tornar-me alguém na vida, era preciso, naquelas madrugadas, ser um humilde e desconhecido estudante.” O que você acha disso? Faça uma opção de vida. Dirija seu foco em um objetivo e insista neles, faça isso e depois a gente conversa, eu já passei, serei ainda juiz do trabalho. O que você quer ser? Conhecimento não se compra em livrarias, salvo os livros, a partir daí e com você. Lembre-se de que o segredo é estudar muito. Fazer muitas provas. Ler, ler, ler. Saiba que a falta de planejamento e indisciplina é o combustível de seus concorrentes contra você mesmo e que estudar o mínimo é tornar máxima a distância da aprovação. Qual a sua escolha? Sucessos. Nunca desista de seus sonhos.
Alex Lino silva

domingo, 24 de abril de 2011

Declaração interna.

Eu sinto tanto a falta de você que chega até a doer. Já pensei inúmeras vezes o que posso fazer com esse sentimento, mas a forma como você segura a minha mão e olha nos meus olhos não está ajudando. Você disse que gosta de mim, e mesmo sem eu dizer, você sabe que eu também gosto de você. Às vezes eu sinto que o mundo vai acabar se não estivermos perto, mas a verdade é que meu mundo se destrói toda vez que você vai embora. Eu fecho os olhos e tento voltar o tempo em que te conheci, tento não ter te visto da forma que vi e não ter me agradado do que vi aí dentro. Você fala coisas que o seu coração deseja e esconde todas elas dentro da sua piada. Será que estou enxergando mais do que deveria ou te amando mais do que posso? Não sei. Só sinto que tenho que ficar perto de você e rir com você e rir de você. Preciso estar em teus braços e sentir a tua força e ser parte da tua força, ser parte de você. Cada palavra que você fala, por mais que às vezes seja tola, é bem vista por mim. Tuas brincadeiras não me chateiam, eu apenas tenho ódio de como elas me conhecem tão bem, de como elas mexem comigo e florescem no meu peito um sentimento que eu nunca tive. É como se toda a minha adolescência (reprimida) fosse colada na base da minha cabeça, fazendo-me esquecer de tudo, menos você. A insegurança me consome os neurônios e a tua presença cura todo medo que eu tenho ou que tive e vou ter. Te querer é como uma droga que me faz ser tua prisioneira. É como não poder viver sem saber de você. É como não ser nada além daquilo que você quer que eu seja. Então, se é a mim que você quer, me tenha. Se é meu carinho que você deseja, tome. Você já levou quase tudo o que construí nesses anos e o problema é esse: você me roubou (completamente), mas parece que ainda não sabe disso ou talvez, seja esse o seu medo, me ter.

O pequeno príncipe

"Tu não és para mim senão uma pessoa inteiramente igual a cem mil outras pessoas. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim o único no mundo. E eu serei para ti única no mundo."

Momentos e você.

Existem momentos e momentos. Aqueles que nos marcam e aqueles que viram marcas. E foi isso o que aconteceu. Eu fui marcada mais uma vez por esses momentos e agora minha alma está cheia de cicatrizes, que não saram. E só basta um olhar, um gesto, um sorriso, só basta uma palavra, uma expressão, um jeito. Tudo isso cativa, tudo isso transforma, tudo isso nos rasga por dentro. Agora só resta a saudade, o vazio, o desejo. E me falta coragem pra avançar de vez esse sinal que me prende, quebrar todas as sinalizações que me pedem pra ter calma e roubar esse beijo que há tempos me tormenta. Hoje, começa uma nova fase, nasce uma nova eu. Amanhã, não sei mais quem vou ser, mas ainda serei o que quero e ainda vou te querer.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Damon\*





Meu passa tempo favorito!

Depois da curva

"amanhã, talvez
esse vendaval faça algum sentido
dá pra se dizer
qualquer coisa sobre todo mundo (...)"

Humberto Gessinger

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Melhor ser a segunda na vida de alguém do que a última.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Professora fala.
Aluno pensa.
Parede escuta.
Quadro escreve.
Cadeira cansa.
Teto dorme.
Porta prende.
Chão aguenta.

P.S: Uma visão absolutamente superficial da sala de aula.

O dia em que morri.

Ouço vozes que me chamam de alguma forma muda: sem lábios, sons ou motivos. Com a cabeça cheia, pés pesados e ideais caídas, tento por segundos apanhá-las, mas algo me acerta na cabeça e durmo. Quando acordo me deparo com um corpo estendido no chão, junto a mim. Um corpo tão estranho ao meu convívio e tão familiar ao mesmo tempo. O sol já havia se posto do lado oposto da minha vida, e o sangue estendido no chão anunciava algo que eu não poderia prever. As ideias espalhadas no escarlate pintavam de morte aquilo que um dia existiu e então, percebi, aquele corpo estendido no chão era eu, sem mim. Não é algo que se possa lutar, acontece. E acontece de uma forma tão imprevisível, que mal há tempo de desejar que tudo fique bem e se bem, desejar que não piore, e se piorar, que melhore e se não melhorar, que acabe logo aquela dor. O único tempo de verdade que se tem é o último fio de pensamento que ainda resta dentro de nós, o que seria: VIDA.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

o encontro.

Quando se gosta de alguém e esse alguém está distante, míseros meses parecem anos. Quando a paixão nasce logo à primeira cara, esse sentimento se torna um tanto quanto extremista.  E quando esse alguém cria um nó na sua cabeça sobre o gostar ou não gostar, aí não tem jeito, se jogue logo de um prédio - brincadeira. Os dias passaram arrastados, os sentimentos pendurados e o coração defunto dentro do peito. Escolhi o ontem na tarde pra fazer a tal aparição, o reencontro. Nervos a flor da pele, flor na pele dos nervos e aí por diante, sem razão. Coloquei meu cabelo novo, minha vida nova, me revesti das certezas e joguei na lata do lixo do arrependimento as dúvidas quanto ao sentimento. Coloquei o salto da luxúria, o batom da ousadia e me banhei com o perfume da simplicidade. E então, bati na sua porta com uma promessa: "se for você o tal, então serei eu a tua". Olhei novamente pra o meu novo relógio dos planos, e contei os segundos que viraram minutos até eu perder a coragem. Você abriu a porta, eu tremi. Enfim, a resposta veio, você foi o tal e agora eu tinha que ser a tua. Aí a dúvida bateu de novo: "será que é destino ou mera coincidência". Dá no mesmo: "O que é a coincidência senão a personificação do poder do destino?". Deus é assim, faz por meio do que não é para mostrar que na realidade é.
"Gostaria de ter mais tempo para escrever e mais tempo em tudo,
não ter essa sensação de estar correndo."

R.Pttz.

sábado, 9 de abril de 2011

Jurarei que minha risada é mais 
extravagante em sua companhia.

Fabrício Carpinejar
Saudade é não se bastar mais, é depender de alguém para continuar sendo. Depender de alguém até para deixar de ser. Saudade é uma soma daquilo que não somos quando o outro se afasta e daquilo que somos quando o outro está junto. Saudade é imaginar por dois não sendo mais nenhum. É agir solitário no plural.
Fabrício Carpinejar
Os outros sempre fazem analogia da loucura a mim. Por que será?

Convite.

- Oi, meu nome é solidão.
- E o meu é companhia.
- Você vem sempre por aqui?
- Não, só quando você está por perto.

Love

Essa saudade me acaba mais e mais.
E é uma, duas, três mil provas a minha espera.
São dúvidas, incertezas e a tal loucura.
E que loucura esta.
...você não é quem eu pensava ser.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Você me faz feliz demais, o tempo 
parece parar quando a gente tá junto.

Pablo Dominguez

O que é saudade?

Uma pesquisa entre tradutores britânicos apontou a palavra "saudade" como a sétima palavra de mais difícil tradução. Na gramática, Saudade é um substantivo abstrato, tão abstrato que só existe na língua portuguesa. Afinal, pode-se sentir saudade de muita coisa. No Brasil, o Dia da Saudade é celebrado no dia 30 de janeiro. Diz a lenda, que na época do descobrimento, os portugueses estando numa terra estranha sentiram a melancolia causada pela lembrança dos entes queridos. Definindo, pois a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações, como solidão. O que houve na formação etimológica do termo "saudade" foi uma interfluência entre a força do estado de estar só, sentir-se solitário, e dos vocábulos "saúde, saudar, saudação", por vezes, dependendo do contexto, sinônimos de "salvar, salvação". Muitos outros idiomas tentaram criar ou inventar um termo pra definir saudade, mas todas essas expressões estrangeiras não definem o que sentimos. São apenas tentativas de determinar esse sentimento que nós mesmos não sabemos exatamente o que é. 

"...nessa saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi." 
(Renato Russo)

"O tempo não pára! Só a saudade é que faz 
as coisas pararem no tempo."
(Mário Quintana)

"Chega de saudade. A realidade é que sem ela não há paz."
(Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

- What's the meaning of love? 
- I don't know. Sorry. Missed in this class.

É isso,

...nem mesmo assim esquecerei o possível mas não provável de esquecer. O esquecimento pode vim com o tempo, mas sentimento não se reprime. A gente tenta, faz e quer. Tenta esquecer, faz o possível pra não lembrar, mas no fim queremos mesmo aquela coisa, aquele sentimento. Por mais que ele seja cruel e por mais que ele nos mude tanto. Por isso que novamente é irrelevante falar de casos como esse. Irrelevante mas não relevado. É aqui que me passa aquele pensamento fugaz - mesquinho - de que posso ter o que desejo, afinal.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Eu gosto tanto de você




Eu gosto tanto de você que até prefiro esconder
Deixo assim ficar subentendido
Como uma idéia que existe na cabeça e não
Tem a menor pretensão de acontecer
Eu acho tão bonito isso
Ser abstrato baby
A beleza é mesmo tão fugaz
É uma idéia que existe na cabeça e não
Tem a menor obrigação de convencer
Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então
A alegria que me dá
Isso vai sem eu viver
Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho o que eu perco ninguém precisa saber

Lulu Santos

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Eis uma verdade: "somos fracos".
Humanamente ridículos.
Entregues a paixões tardias.
Ridículos, no sentido real da palavra:
"insignificantes, mesquinhos".

domingo, 3 de abril de 2011

Eu não consigo te esquecer, nunca.
Me diz o que é que eu faço com esse coração?
Se me escondo me acha e quando te acho se esconde.
Só peço a Deus pra ficar tudo bem. O que é pra ser, será.
Mas se não há de ser, esquece.

Genial.

sábado, 2 de abril de 2011

Dane-se querido!

A dor corta tanto o peito, que mesmo a saudade não pode remendar a esperança de um novo reencontro. Não se faz tentando e não se tenta fazendo, mas se ostenta a certeza daquela loucura chamada paixão. Ela nasce dentro de nós como o brilho de uma estrela perdida à procura do seu sol e é realmente irritante que continuemos a acreditar que o esse sol só brilhe pra gente. No entanto, há milhões de pessoas que parecem  achar o mesmo. E no fim, não existe o nós, nem o eu e você. Isso já passou de sorrisos à lágrimas. Então, não brinque mais com o "eu te amo", porque você desconhece as exigências do meu amor-próprio.

Somos máquinas?

- Oi, tudo bem?
- Tudo - ela respondeu, mesmo com o coração partido ali dentro.

Não somos máquinas. Podemos até programar a hora de comer, de dormir e acordar. Podemos escolher o tipo de comida que queremos, qual roupa vestiremos, o lugar onde dormiremos. Podemos conquistar amigos, formar família, acreditar ou escolher não acreditar em nada. Podemos controlar nossos sonhos, criar novas formas de facilitar a vida, falar com uma pessoa do outro lado do mundo e ainda ver coisas que nunca chegaríamos a ver se não fosse a TV. Podemos criar máquinas que falam, voam, cozinham e andam. Podemos estudar tanto até descobrirmos que ainda se tem muito a estudar e podemos viver tanto até descobrirmos que não há sentido pra quase nada na vida. São "n's"coisas que podemos ou não fazer, mas independente do fazer ou do não ser, não podemos controlar a vontade que temos de comer, dormir, acordar, falar, amar, inventar... Não podemos controlar a vontade de ser quem somos e nunca controlaremos as crenças que julgamos não ter, mas temos. Criamos nomes pra inventar coisas e criamos mais outros nomes pra definir a ausência delas. Somos controlados compulsivamente pela vontade de provar nossa existência, seja ela através da destruição, das criações ou do simples, e verdadeiro, sentimento. Seja você adolescente ou jovem, homem ou mulher, saiba, não somos máquinas. A maior prova de que somos carne, é isso, a dor. E se você finge dor, ou finge sentimento, não deixa de ser carne, porque só a carne provoca a dor como ela tem que ser, mesmo que isso seja a mentira (da carne). Não somos máquinas, mas estamos a fingir isso muito bem. E como diria minha amiga B. "nem tudo pode ser programado, principalmente as pessoas!"

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Uma tal louca teoria

Eu estava lendo uma postagem que Flavinha escreveu para o Expresso Ideias, cujo o título Um sujeito Pós-moderno mecheu muito comigo. Lembrei-me de uma antiga postagem minha A Sedentarização da Cidadania onde falei sobre alguns pontos específicos de uma "teoria" que inventei. Criar teorias é fácil, o difícil é conseguir fundamentar e definir todas elas. Por isso, fico apenas com algumas considerações acerca do tema, e busco, ainda inutilmente, definir o objeto da minha pesquisa. Quero destacar um outro ponto que chamou muito a minha atenção, que foi uma frase que Sabrina (a autora) usou no Blog, dizendo:
"Será que eu estou pensando apenas sob uma ótica conservadora? Ah, as crianças deveriam usar os livros, eles estão sendo consumidos, não por mentes incessantes e sim pela poeira..."
Tudo isso não passa da pura verdade e é resultado da Sedentarização da Cidadania, o fenômeno da regressão parcial da sociedade. Será que é conservadorismo, ou a sociedade está mesmo regredindo algumas escalas da sua contemporâneidade? Trocar certos hábitos e viver de tecnologia é o que há, mas até que ponto essa modernização está influindo nos nossos valores?

Estória.

- Posso te contar um segredo?
- Sim.
- Você promete não contar a ninguém?
- Sim.
- Eu acho que gosto de você!
(silêncio)
- E acho que gosto tanto que já virou vício.
(Entra a loira. Ele vai falar com ela.)

- Costuma vir sempre aqui?
- Mais ou menos.
- E por que você não aumenta esse mais e diminui esse menos?
- (rsrs) Posso pensar no seu caso.

(Sai a loira, entra a morena. Ele vai falar com ela.)

- Seu nome é Maria?
- Não, por quê?
- Porque você é cheia de graça.
- Engraçadinho.

P.S: A questão não é a cantada sem graça, é a cara de pau do mané. Idiota, isso sim!