quinta-feira, 4 de agosto de 2011

E foi nestas tantas idas e vindas que entendi, afinal, o sentido da dor, pelo menos para mim. Algumas pessoas estão destinadas a sofrer, outras a sofrer e superar, e outras, não obstante a tudo isso, enfrentam e superam sempre as mais altas dificuldades. Talvez, assim como eu, você esteja destinada a viver na fossa... Sofrendo dia-após-dia. Mas tá aí minha benção e maldição: dependo disso para permanecer viva. Escrever se tornou além de passa tempo favorito, meu sossego, minha calma, minha paz. É escrevendo que consigo me aproximar de mim. Descubro sentimentos, encontro decepções, abandono sonhos. Dou-me ao luxo de amar e se me permitem assim dizer (ou inventar): desamar algumas dúzias de homens.

Um comentário:

B. disse...

Você escreve com a alma amiga, e seu espírito escritor passa uma energia tão clara que dá até vontade de escrever tbm, pq se vc nunca reparou eu não sou mto de comentar nada, mas comento no seu blog, porque aqui durante alguns poucos minutos da minha vida as coisas fluem em seu perfeito sentido.