domingo, 27 de março de 2011

Céu nublado

E o sangue vai se esvaindo de mim, enquanto tão mórbida permaneço no chão. Os minutos já viraram séculos de espera. E o coração já virou gelatina de tão frio o chão. Os ponteiros do relógio ainda marcam "infelicidade" e o computador na cama ainda canta as "incertezas". E de in em ins vou ficando aqui, enquanto esse bendito prefixo não se apodera de mim.

Um comentário:

B. disse...

Inspiração total! Amei!