segunda-feira, 12 de setembro de 2011

The door

Eu tento, através dessas barreiras, enxergar aquilo que um dia já me encantou. Até consigo sentir o vento frio que faz lá fora - fora dessa barreira que construí ao meu redor. Eu vejo que o terreno que outrora foi verde hoje jaz seco pelas lembranças do passado. Talvez seja esta a única esperança que nos resta, encontrar sobras de algum sentimento que possa alimentar o passado. Nesse momento, fecho os olhos e sinto todo o prazer que esse gesto me traz, fingindo por um breve segundo que essa é a primeira vez que eu te vejo. Engano meu pensar assim tão desse jeito. As pessoas não mudam, elas se ajeitam. Talvez eu ainda tropece em um ou dois sentimentos, mas esses desenganos são os melhores enganos que encontro em mim, te encontrar eternamente aqui enquanto escrevo.

Nenhum comentário: