domingo, 6 de novembro de 2011

Eu Nado. Tu Nadas. Ele Nada.

O mundo da imaginação é de um poço profundo sem chão. E nem pense que estou tentando fazer poesia, vocês bem sabem que tem um bom tempo que não escrevo. Na verdade, faz um bom tempo que eu não sinto nada. Defina "nada". Bem, se você colocar a palavra "nada" no Google encontrará desde sites com essa palavra até o real ou fictício significado dela. Enfim, para resumir a história vamos dizer que "nada" significa "coisa nenhuma". O problema da equação da vida é que criamos expectativas por "nada", assim como também vivemos boa parte dela por e para "nada". Demoramos um bom tempo para dar significado às nossas escolhas e depois que fazemos isso, demoramos mais alguns anos até aprender quais as escolhas certas. Não é só a imaginação que tem poço fundo, nós também somos de um fundo profundo. "Então, continue a nadar, continue a nadar... talvez um dia a gente encontre alguma coisa, senão o nada do tudo ou o tudo do nada" (conjugando o verbo "nada").

Um comentário:

B. disse...

Sabedoria divina?
Lindo!