sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vivo, pois, na iminência... 
De um desejo quase concreto. 
De um beijo quase dado. 
De um sonho quase cumprido. 
De um amor quase esquecido,
e de outro quase real.

Um comentário:

ThayFreir disse...

Lindo o poema... cheio de emoção. Amei.

* Imagem perfeita.