sábado, 16 de junho de 2012

Às vezes...

Não é sempre. Mas algumas vezes bate um vazio dentro de nós e é daquele tipo "fundo sem chão": profundo, sem fim, sustento ou base. Então é isso? Esse é o fim? Às vezes tudo parece extremamente complicado à nossa vista. Gritamos sem que ninguém ouça nossa voz. É como naqueles pesadelos em que você sabe que está sonhando mas não consegue acordar, ou em que você tenta gritar por "socorro" mas nada sai da sua garganta além do silêncio. Não me peça para explicar esses fenômenos recorrentes da nossa alma. Sei muito pouco, ou quase nada. Mas, o que de fato sei é que quando isso acontece só há uma vontade: fechar a porta do quarto, escutar músicas para lá de Bagdá (de tão depressivas) e brigar, algumas vezes, ou simplesmente calar a boca, o coração e a mente.

Nenhum comentário: